Sobre a Venda de Terrenos Públicos de Rolândia


Quando começou esse assunto, da venda de 32 terrenos públicos pela prefeitura, não quis me manifestar sem antes tomar conhecimento do tema. Inteirei-me, e confesso que fui instigado a falar sobre isso aqui no Blog.
Nessa semana, uma colega de trabalho quis saber de mim quais são os terrenos que "estão a venda". Imaginei que ela estivesse preocupada se isso realmente fosse ocorrer. Conversando mais a fundo, ela me disse que sua filha estava interessada em adquirir um dos imóveis. Respondi a ela que ainda é somente plano da administração, e que depende de muito debate, até decidir se de fato isso acontecerá e como se dará a disponibilização para quem possa interessar a comprar.
O que me chamou a atenção é que minha colega de trabalho não está nem aí se no futuro seu bairro, Jardim Coliseu, terá ou não espaço para construção de uma praça, ou se os demais bairros terão. É engraçado como as pessoas tem uma visão somente do presente, e não do futuro.

Minha Opinião

Depois que li a matéria no Jornal "Manchete do Povo", minha visão ficou "mais clara", principalmente quando vi a tabela com os possíveis terrenos a serem negociados pela prefeitura. Antes era "meio" contra, agora sou "inteiramente" contra.
De acordo com a tabela da prefeitura, vários bairros que ainda não conta com a presença de praças, bosques, escolas e creches, "estão na fila" para serem negociados.
Não quero aqui contestar as intenções da administração. Por mais que elas possam ser boas, não devemos, como diz o ditado, "descobrir um santo para cobrir o outro". É o mesmo que uma pessoa possuir duas casas e vender uma para reformar a outra.
Se a intenção é investir mais na cidade com recursos próprios do município, o ideal é maior rigor com gastos (não em cima do servidor, é claro), mas com contratos, materiais, transporte, etc.

Proxima
« Anterior
Anterior
Próximo Post »
4 Comentario
avatar

Em 1º lugar, as avaliações apresentadas com a relação de terrenos que foi divulgada pela mídia são no mínimo ultrajantes e demonstram que estamos perto de ocorrer uma dilapidação do patrimônio público....

Em 2º lugar, utilizando dinheiro público o Sr Prefeito e sua equipe distribuem "panfletos" pela cidade com uma entrevista onde o Sr Prefeito tenta entre outras desvirtuar o debate, pois afirma que não serão vendidas praças...Pergunto, quem está falando de praças??? Estamos falando e debatendo justamente sobre as "áreas institucionais"...

Em 3º lugar, se o Sr Prefeito alega a necessidade de levantar recursos próprios, vou aqui deixar algumas sugestões...

- Basta cortar parte do cascalho da mídia comprada (500 mil por ano)

- Basta cortar um pouco dos mais de 200 mil destinados à secretaria da Mulher e da Família que além de cabidão de empregos, não faz nada além de distribuir potes plásticos, cortes de cabelo e cursos de manicure e pedicure...

- Basta cortar um pouco da verba de gabinete, que está em quase 1.000.000 de reais...

- Basta fazer um pouco de economia, pois estamos falando de um orçamento de 126.000.000 de reais...Por exemplo, 5% de economia no ano e serão mais de 6.000.000 de reais...

- Basta parar um pouco com os gastos de assessoria e consultoria que já passaram de 1 milhão e meio de reais...

- Basta não fazer gastos como os tais enfeites de natal, mais de 74 mil reais...

Então Sr Prefeito e Equipe, assim, além de não vender as áreas institucionais, sobrarão recursos para investimento e para muitas outras realizações!!!!

Fábio Nogaroto - Professor e Vereador em Rolândia...

Balas
avatar

Pior que é verdade tudo isso que o Nogaroto falou.

Balas
avatar

Três anos economizando os tais 500.000,00 com publicidade (propaganda do Johnny) já dariam 1.500,000,00 !!!!!!

Balas
avatar

Esta cidade está virando uma verdadeira empresa particular do grupo Jhonny...todo esse assunto não deveria nem estar sendo cogitado tendo em vista que a venda de áreas verdes e institucionais é contra lei...

mas a prefeitura não está nem ai pois ate a parte juridica do município já está "embolsada"...a procuradora do município não dá a mínima atenção ao caso se este for contra a administração, e se receber o caso enrola e da um jeito do negocio nao acontecer...isto está um real caso de calamidade....por isso eles fazem o que bem entendem...até se for contra a lei afinal já deram um jeito de colocar a lei em seu favor...

e a prefdeitura ainda tentar argumentar a venda dizendo que a administração anterior tb vendeu...gente vamos cair na real...por que um descumpriu a lei entao liberou geral?...onde vamos parar?

Balas